Sonho Realizado: Aprovação no Ministério Público

Depois de 10 anos afastada, Claudia Adriana Ferrão Dias se viu novamente apaixonada com a área do Direito. Graduada no UNIFEMM em 1990, somente no ano 2000 ela voltou a pegar nos códigos e leis, primeiro para conseguir a carteira da OAB e, depois, tentar diversos concursos. Não demorou para assumir um cargo de Analista no Ministério Público, por meio de aprovação no concurso.

 

Qual foi a sua trajetória profissional até chegar ao atual cargo?

Formei em 1990, fiquei 10 anos sem trabalhar com o Direito e durante este tempo fui empresária. Mas ao longo deste período, eu resolvi voltar a advogar e fiz um curso jurídico novamente, fiz a prova da OAB e tentei vários concursos. Dentre ele, fiz para o Ministério Público, onde passei e estou até hoje.

 

O que foi mais importante para você durante o curso do Direito?

O curso de Direito é importante em qualquer área, mas o mais importante é ter um conhecimento amplo dos direitos, deveres do cidadão. Em qualquer notícia, em matéria de jornal ou revista, envolve o Direito, portanto é um curso muito amplo, que pode ser aproveitado em várias áreas.

 

Houve alguma área que você se envolveu mais durante a graduação?

Eu sempre gostei muito de Direito Constitucional e Direito Penal. Hoje eu atuo justamente na área de Penal, que tem muita relação com o Direito Constitucional também.

 

Como você acha possível acompanhar a evolução do Direito?

Eu acho que hoje está um pouco mais difícil. Por exemplo, na minha área, de Penal, o código é de 1941, então não basta apenas conhecer as leis, tem que estudar muito, ver muita jurisprudência, principalmente com estas decisões recentes do Supremo Tribunal Federal agindo como legislador, em um ativismo judicial. Então é preciso ficar muito atualizado. Hoje o Direito mudou. De 1990 para cá, mudou muito e por isso é preciso atualizar muito, através de cursos, porque, caso contrário, não se consegue ficar no mercado, seja quem advoga ou atua no setor público.

 

Quais são os conselhos para os atuais alunos do Direito no UNIFEMM?

Eu digo para estudar, porque Direito exige isso do profissional, diferente de algumas outras áreas. Para ser um bom advogado, é preciso especializar. Caso contrário, será um mero advogado. Então, só a graduação não é suficiente e é preciso investir em uma especialização.

Por outro lado, é preciso entender a base do Direito, para saber como é a evolução das leis, desde o início da história do Direito até hoje.

 

Por que você decidiu retornar para o Direito?

Em parte, foi pela estabilidade do concurso público, mas também porque sempre gostei muito de estudar. Na verdade, eu comecei as duas coisas juntas, e em um dado momento, percebi que não dava para conciliar as duas atividades. Talvez seja um pouco de maturidade, pois quando entramos na faculdade, ainda pouco sabemos sobre o que estamos fazendo, o porquê das escolhas. E quando me vi estudando novamente, me apaixonei novamente pelo Direito e decidi que aquilo seria minha realização pessoal.

 

Qual o diferencial da carreira de Analista do Ministério Público hoje?

Nós temos autonomia para estudar e mostrar a nossa opinião. Temos a abertura de dialogar com o Promotor algum ponto de vista mais coerente sobre uma determinada questão.

Deixe uma resposta