Fazer faculdade em outra cidade: vale realmente a pena?

Foi aprovado em um vestibular para estudar fora do seu município? Então, você deve estar se perguntando se vale a pena fazer faculdade em outra cidade, não é mesmo? Na verdade, essa é uma dúvida que assombra a cabeça de muitas pessoas.

Optar por sair da casa dos pais e ficar longe dos amigos pode trazer diversos desafios. Portanto, é importante conhecê-los bem antes de decidir se vai encarar essa mudança. Muitas vezes, pode ser mais válido investir em um curso na sua cidade mesmo.

Para ajudar você a entender melhor essa questão, explicamos, sem rodeios, o que pode acarretar fazer uma faculdade fora de casa. Por outro lado, trazemos também algumas vantagens para contrabalancear a sua reflexão. Confira!

A realidade de fazer faculdade em outra cidade

Para muitos, mudar-se para estudar é uma grande oportunidade, mas para outros isso pode significar problemas e dificuldades que poderiam ser evitados. Veja abaixo as principais situações que você teria que encarar caso decidisse estudar em um lugar longe de onde vive.

Muitas despesas

A mudança para outro lugar implica uma série de gastos mensais. Considere que você vai ter que gastar, no mínimo, com:

  • o aluguel do quarto em uma república, quitinete ou apartamento onde for morar;
  • o transporte de ida e volta para a faculdade, caso não consiga morar próximo ao campus;
  • as contas da casa (água, luz, internet, gás etc.);
  • compras no supermercado, farmácia etc.;
  • livros e outros materiais de estudo.

Além disso, existem as despesas que não são fixas, mas que sempre aparecem, como: comer fora, ir ao cinema, ir a uma festa e até comprar uma roupa ou sapato que precise.

Ou seja, no fim das contas, mesmo que você se mude porque a faculdade é pública e gratuita, o valor total para se manter, por mês, pode ficar mais alto do que o custo da mensalidade em uma faculdade da sua cidade.

Dificuldade de adaptação

A dificuldade de adaptação é mais comum no primeiro ano, pois chegamos a um local novo e possivelmente sem conhecer ninguém. Porém, para muita gente, mesmo após 3 ou 4 anos em outra cidade, ainda é difícil acostumar-se com as diferenças.

Para quem sai de uma cidade pequena e vai para uma grande, o estranhamento é ainda maior. O ritmo de vida costuma ser mais acelerado nos grandes centros; você tem que aprender todas as novas rotas, saber os itinerários dos ônibus e de outros transportes que for utilizar, além de saber onde ir para resolver diversas situações.

Ainda por cima, existem as diferenças culturais — e de outras naturezas — que, com certeza, seriam sentidas, principalmente se você precisasse mudar de estado. Um exemplo é o clima (imagine um nordestino no frio de São Paulo?), ou a comida (um mineiro dificilmente vai achar uma boa refeição caseira em uma grande capital). 

Até a maneira de as pessoas se relacionarem muda: nas metrópoles, poucos se conhecem pelo nome na vizinhança, muitos estão estressados e sem paciência — e tudo isso pode tornar difícil a tarefa de fazer amizades.

Responsabilidades

Uma das ideias que mais atrai os jovens que são aprovados em uma faculdade distante é a possibilidade de ir morar longe da vigilância dos pais. Nesse caso, vale saber que essa liberdade esconde muitas responsabilidades. 

Uma vez sozinho, você terá de se preocupar com toda a organização da sua vida: terá que pagar as contas (mesmo que seus pais enviem o dinheiro, é você quem vai administrar os pagamentos), ou ir ao mercado regularmente se não quiser chegar em casa e dar de cara com a geladeira vazia.

Por falar nessa parte, viver fora da casa da sua família implica também que você é quem ficará responsável por cozinhar, arrumar a casa, lavar e passar suas roupas etc.

Sem contar que todo problema que surgir, seja trocar a resistência de um chuveiro queimado, seja conviver com as pessoas que dividem a casa com você ou algo mais grave (como um problema financeiro, de saúde, um assalto ou acidente), a princípio você estará sozinho para resolver.

Desgaste físico 

Esse é um ponto para o qual as pessoas não se atentam, mas que é muito significativo para sua qualidade de vida. Morar em outra cidade implica ter uma rotina mais conturbada do que a que você tinha antes.

Como dito acima, você terá o peso de todas as responsabilidades, sendo que a carga de estudos gerada pelo curso universitário também é um ponto considerável. Se a mudança for para uma cidade grande, o cansaço ainda piora com os deslocamentos demorados e o estresse do estilo de vida.

Ainda há quem precise trabalhar ou estagiar, pois tem que se bancar sozinho ou quer aliviar o lado dos pais com as despesas. Ou seja, mais um turno de tarefas e mais desgaste. 

Fora que, quem vai morar em outra cidade, dificilmente consegue guardar o dinheiro que recebe em um estágio remunerado. Quem opta por ficar com a família por mais um tempo tem a sorte de não precisar gastar todo o valor que ganha, afinal, são os pais que bancam os gastos principais da casa.

Desgaste emocional

Para completar, encarar todas essas mudanças pode gerar um desgaste emocional, que só é acentuado pelo fato de você estar longe dos seus amigos e dos seus parentes. 

Se você se muda de cidade, não tem com quem contar para ajudar a solucionar os problemas — mesmo que for algo simples, como dar uma carona se você estiver atrasado. 

E quando chegar um fim de semana em que você não puder voltar para a casa, provavelmente vai sentir falta de uma companhia para ir ao cinema ou para aproveitar algum evento bacana com você. 

Com o tempo você começa a conhecer pessoas, mas é bom ter em mente que pode demorar até que você consiga encontrar um amigo mais próximo. Vez ou outra bate a sensação que ninguém será tão legal quanto os seus amigos de infância, ou que nenhum deles vai entender as suas brincadeiras tão bem quanto seu primo ou seu irmão.

As vantagens de tomar essa decisão

Agora que já conhecemos os desafios, é hora de saber quais são os benefícios envolvidos em fazer faculdade em outra cidade. Afinal de contas, nem só de dificuldades essa experiência é formada. Confira a seguir as principais vantagens que destacamos.

Conhecer novos locais e culturas

Passar um tempo longe de casa e da sua cidade não deixa de ser uma oportunidade de conhecer outros cantos. No início, é como descobrir um novo mundo, e talvez você se sinta um pouco perdido — o que é natural.

As pessoas, paisagens, costumes, culinária e até o clima podem ser bem diferentes do que você está acostumado. Porém, aproveite essa chance de conhecer uma nova cultura e não passe os seus dias todos dentro de casa.

Mesmo sem companhia, faça caminhos diferentes para desbravar o local. Ande pela sua vizinhança e visite o máximo de lugares que puder. Outra possibilidade é ir para cidades próximas aos fins de semana, feriados ou folgas. Busque o que tem de interessante ao seu redor e organize-se para pequenas aventuras!

Adquirir maturidade

Sair de casa é uma espécie de ruptura, embora o elo familiar não seja quebrado. Acontece que, como falamos, a sua liberdade deve vir acompanhada de muita responsabilidade — tarefas domésticas, contas para pagar, compromissos e tantos outros.

Consequentemente, você vai ganhar experiência em dar conta dos seus afazeres sem grandes ajudas. A conquista de maior autonomia é como elevar a sua “barrinha” de maturidade.

Toda essa rotina pode dar muito trabalho e ser um tanto quanto cansativa, mas não tenha dúvidas de que esse é um ganho enorme para a sua vida. O fato de estar afastado do seu convívio natural é capaz de ajudá-lo a se conhecer melhor, inclusive para perceber que fraquezas você precisa melhorar.

Conquistar credibilidade para o mercado

No mercado de trabalho, a maturidade adquirida morando em outra cidade é vista como uma certa credibilidade para o profissional. Isso não quer dizer que todas as pessoas que moram com as suas famílias são imaturas ou que todos que já moraram fora são melhores que os outros.

O detalhe é que os desafios vividos ao fazer faculdade em outra cidade servem para o desenvolvimento pessoal. Normalmente, essas pessoas aprendem a desenvolver habilidades significativas como organização, disciplina, autonomia, proatividade, inteligência emocional e outras.

Tais características são vistas com bons olhos pelas empresas e recrutadores, já que o candidato teve a coragem de enfrentar suas dificuldades e viver essa experiência.

Por conta disso, não se assuste se em uma entrevista de emprego ou em qualquer outra etapa de um processo seletivo surgir esse tipo de curiosidade. Muitos consideram ainda que esse é um fator positivo para empregos que demandam várias viagens ou exista a possibilidade de transferência. 

Enfim, vale a pena parar para refletir sobre os pontos favoráveis e desfavoráveis de fazer faculdade em outra cidade ou escolher um curso onde você vive. Certamente pensar sobre esses fatores vai ajudá-lo a tomar uma decisão mais consciente e segura!

Agora, que tal compartilhar este texto nas suas redes sociais? Essa é uma boa ideia para informar as pessoas a respeito desse assunto, principalmente se você tem amigos que estão enfrentando o mesmo dilema!