Planejamento financeiro aos 20: entenda a sua importância

O que você acha de começar o seu planejamento financeiro aos 20 anos? Parece muito cedo? Pois saiba que esse é o momento ideal para aprender a organizar suas finanças e estabelecer seus objetivos de vida.

Quanto antes você criar bons hábitos de controle financeiro, mais cedo poderá realizar seus sonhos e curtir a vida confortavelmente, sem preocupações com dívidas longas ou atraso de parcelas.

Quer aprender como fazer isso? No post de hoje, explicamos o que é um planejamento financeiro e porque é importante começá-lo aos 20. Também reunimos 7 dicas valiosas que vão ajudá-lo a controlar suas despesas. Confira!

Por que fazer um planejamento financeiro aos 20 anos?

Porque esse é o melhor caminho para quem quer alcançar estabilidade e conquistar uma situação de vida confortável o mais cedo possível. Sabemos que, nessa idade, boa parte dos jovens prioriza a diversão ou ainda não sabe muito bem aonde quer chegar. No entanto, se você já tem objetivos bem definidos, essa é a forma certa de atingi-los.

Um planejamento financeiro é simplesmente um recurso para organizar e controlar as finanças pessoais com foco no alcance de metas e realização de objetivos de curto e longo prazo. Para isso, o segredo do sucesso é a disciplina e a criação de hábitos eficazes.

Assim como em um processo de adoção de hábitos saudáveis ou qualquer outro propósito de vida, planejar as finanças requer comprometimento e determinação. O desejo de comprar coisas novas e gastar à toa é o maior vilão dessa jornada. Para vencê-lo, você deve aprender a ampliar sua visão e enxergar como você quer viver no futuro.

Como planejar as finanças?

Elaborar um controle de finanças é fácil; difícil é manter a disciplina para chegar a bons resultados — difícil, mas não impossível! Veja, a seguir, as dicas que separamos para que você se saia bem na hora de fazer seu planejamento financeiro:

1. Faça um controle de despesas

A primeira dica é a mais importante: você não pode deixar de acompanhar os seus gastos. Essa é a melhor forma de saber para onde está indo o seu dinheiro, quais são as despesas mais significativas e quais itens podem ser cortados para fazer economia.

Faça uma planilha simples no Excel — há vários modelos prontos na internet —, liste todos os seus gastos e crie o hábito de atualizar o documento com frequência, para facilitar o controle das despesas mensais.

Não ignore nenhum gasto na hora de preencher a planilha: pequenas quantias podem parecer inofensivas, mas, quando somadas, consomem boa parte do seu orçamento.

2. Pesquise bem antes de comprar

Quando precisar adquirir um produto, não compre antes de comparar os preços. Hoje em dia, a internet torna bem fácil essa tarefa de pesquisar a diferença dos valores. Inclusive, há plataformas que já listam a mesma mercadoria em diferentes lojas com preços bem variados.

Economia de 10% pode até não ser tão atrativa, dependendo do valor total do produto. No entanto, se você cultivar essa prática de pesquisa e comparação para todas as compras, pode ter certeza de que vai sair ganhando no fim das contas.

3. Saiba diferenciar o que é necessário do que é supérfluo

Antes de encher o seu carrinho de compras, seja ele real ou virtual, faça uma lista de prioridades e necessidades e avalie o que você realmente precisa comprar. Questione-se: eu preciso mesmo disso ou eu apenas quero?

Querer nem sempre é poder. Lembre-se de quais são suas prioridades e suas metas (falaremos disso daqui a pouco) e aprenda a controlar seus impulsos consumistas em prol de objetivos maiores.

Observe, na sua planilha de controle de despesas, que boa parte dos gastos é direcionada a bens supérfluos ou excessos, como barzinhos e baladas. Não significa que você tenha que se privar de todos os prazeres, mas sim aprender a equilibrá-los e gastar sem exageros.

4. Evite dívidas e pague à vista sempre que puder

Evitar compras parceladas e dívidas longas é uma boa jogada para não comprometer o seu orçamento. Também é interessante pagar à vista quando encontrar produtos com desconto, para economizar um pouco mais.

Se o seu cartão de banco não for múltiplo, experimente deixar o cartão de crédito em casa quando sair e tente ficar longe dos sites de e-commerce. Toda essa precaução é válida se considerarmos que o crédito na mão parece uma facilidade incrível — e realmente é, mas só depois da compra é que vem a parte difícil: a dívida.

5. Trace metas e objetivos alcançáveis

Somos naturalmente movidos por objetivos de vida. As metas são recursos motivadores para mantermos o foco em um propósito. Nesse ponto, você deve trabalhar com dois coeficientes: metas financeiras mensais, ou seja, de curto prazo, e objetivos de longo prazo.

As metas mensais vão motivá-lo a manter o controle das despesas e não esbanjar com gastos desnecessários, já que você precisará atingir um valor x no saldo positivo do final do mês.

Já os objetivos de longo prazo são aqueles que vão nortear toda essa trajetória de economia e planejamento financeiro, como concluir uma faculdade, comprar um carro novo ou a casa própria, aprender um novo idioma, fazer uma viagem internacional etc. É importante que esses objetivos sejam realistas e alcançáveis, caso contrário, são grandes as chances de você se frustrar.

6. Prepare-se para imprevistos e emergências

Se possível, mantenha um valor reservado para possíveis emergências. Imprevistos sempre podem ocorrer e comprometer boa parte do valor que você poupou com tanto sacrifício.

Um problema de saúde, manutenção do carro, uma viagem de urgência ou qualquer outro contratempo pode ser o suficiente para bagunçar o seu planejamento financeiro e alterar os seus objetivos.

7. Mantenha os pés no chão e respeite suas limitações financeiras

Seus amigos têm carros do ano e você não? Eles sempre vão a boas festas, usam as melhores marcas de roupas e você também gostaria de viver assim? Pare de se preocupar com status e ostentação e viva de acordo com as suas possibilidades.

Se você tem um propósito maior, mantenha o foco. O grande problema das pessoas que não conseguem alcançar a estabilidade financeira é justamente depositar tudo no momento presente e querer adquirir mais do que podem ter.

Assim, para ter uma situação confortável no futuro, é necessário entender suas limitações hoje. Caso contrário, você viverá somente para pagar dívidas — e apenas para sustentar um padrão de vida que não condiz com a sua realidade.

Quais as vantagens de adquirir estabilidade financeira tão cedo?

A maior vantagem de iniciar um planejamento financeiro tão cedo é aprender a cultivar esse hábito para o resto da vida. Se você começar a controlar suas finanças aos 20 anos, pense em como estará sua situação aos 30, idade em que muitas pessoas ainda estão lutando para conquistar a casa própria ou apenas para pagar as prestações de um automóvel.

Outra questão favorável é o menor comprometimento da renda. Em torno dos 20 anos, é provável que você ainda more com seus pais e não seja responsável por todas as despesas da casa. Esse fator ajuda bastante, pois gastos com residência, água, luz, gás, telefone, impostos, mercado e muitos outros tornam muito mais difícil manter uma poupança.

Entendeu como é importante iniciar um planejamento financeiro aos 20? Claro que isso não é uma missão tão fácil, mas com foco e disciplina é possível organizar as despesas, adquirir estabilidade e alcançar seus objetivos. Depois disso, é só aproveitar a vida, sem preocupações!

Gostou dessas dicas? Então siga nossas páginas nas redes sociais e acompanhe mais conteúdos como este. Estamos no Facebook, no LinkedIn e no Twitter!