5 fatos que você precisa saber antes de morar em uma república de estudantes

Quando chega a hora de entrar na faculdade, muitos estudantes passam pela mesma realidade: adeus, lar doce lar, e pé na estrada. E então, os jovens calouros se jogam numa das mais eletrizantes experiências da vida universitária: morar em uma república até o fim do curso.

Trata-se de um espaço democrático onde vivem os jovens que têm de se dividir entre os estudos, trabalho, afazeres domésticos, perrengues diversos e festas. Mas será que dá pra se entender numa moradia, digamos, peculiar, como são as repúblicas?

É possível achar equilíbrio entre um morador que vara a madrugada na balada com outro que já está na cama às 10h da noite? Bem, é certo que nesse ambiente você precisa ter uma bela dose de desprendimento e estar disposto a viver um sem-fim de emoções!

Mas as repúblicas também são um ambiente de muita amizade e parceria. E se você está pensando que essa pode ser a saída para cursar a graduação na melhor universidade, este post é ideal. Veja aqui 5 fatos que você precisa saber sobre as repúblicas estudantis.

1. O espaço individual deve ser respeitado

Colocar-se no lugar do outro é um dos principais exercícios para morar em uma república. Se você não gosta que seus pais acendam a luz na sua cara enquanto você está dormindo, imagine fazer isso com alguém que você acabou de conhecer?

O mesmo vale para barulho até altas horas da madrugada sem haver comum acordo. Já pensou não conseguir dormir porque tem alguém batucando ali na sala?

Um dos ambientes mais polêmicos é o banheiro. Imagine que moram 5 pessoas na casa e todas precisam sair no mesmo horário.

A cozinha também não fica atrás. Entre os moradores da casa pode haver algum engraçadinho que gosta de comer os seus biscoitos preferidos.

Todos esses são exemplos de como conviver em grupo pode ser caótico, caso regras básicas de convivência não sejam seguidas. Elas dizem respeito à individualidade e privacidade de cada um e à necessidade de todos entenderem que o espaço do companheiro precisa ser respeitado para que ninguém, literalmente, saia no tapa!

2. As tarefas domésticas são divididas

Mi casa, su casa. E, se todos moram juntos, todos devem contribuir para a manutenção da limpeza e organização do ambiente (ou ao menos tentar, com muito esforço). Uma saída para isso é fazer escalas de organização. Quem limpa o banheiro, quem tira o lixo, quem lava louça, organiza a geladeira, varre a casa etc.

Enfim, a lista é bastante grande, ainda mais considerando a quantidade de gente que costuma morar em uma república.

É importante que todos os afazeres sejam claramente distribuídos. Os responsáveis por cada tarefa precisam cumprir com os combinados e os demais precisam fiscalizar para ver se está tudo em ordem.

Além disso, procure fazer uma rotação dos afazeres. Do contrário, uma mesma pessoa ficará os 4 ou 5 anos de cursos limpando o banheiro, enquanto outra não desencosta a barriga da pia da cozinha.

3. A comida pode ser compartilhada

A comida não só pode ser compartilhada, como deve, na verdade. Quanto mais os gastos com alimentação forem divididos, melhor para todo mundo. Sendo assim, você e seus companheiros poderão combinar os itens essenciais, que serão divididos entre todos, e o que cada um pretende comprar individualmente.

É muito importante que os moradores da república tenham clara a diferença entre os mantimentos que são coletivos e individuais. Então, é melhor combinar que determinados itens podem ser consumidos livremente e, quando acabarem, uma reposição é feita.

Mesmo assim, procure identificar a existência de algum espertinho que pode se aproveitar dessa sociedade independente para engordar uns quilos às suas custas. Olhos abertos!

4. As contas devem ser organizadas

Já pensou ficar sem luz ou água porque a conta não foi paga? Ah! As prestações do aluguel também vencem, assim como a de internet.

Em resumo: todos já são adultos e precisam ter responsabilidade com as contas da casa. Por isso, todos os valores devem estar descritos de maneira que os moradores tenham conhecimento do que lhes cabe mês a mês.

Uma alternativa é eleger um contador (aquele crânio do curso de Engenharia resolve isso rapidinho) para controlar se todas as despesas estão sendo pagas em dia e quanto cada um precisa desembolsar.

Também, é importante realizar planilhas comparando os gastos, inclusive para saber se será necessário puxar o freio de mão. Afinal de contas, universitário não sai nadando na grana, pelo contrário.

Tendo atitudes assim, as chances de discussões homéricas porque alguém se fez de desavisado tendem a diminuir.

5. As pessoas precisam se tornar amigas

Acima de tudo, os jovens que aceitam morar em uma república levarão essa experiência para a vida toda. É uma fase de muito aprendizado, e se todos forem parceiros e se tornarem amigos poderão estender isso para muito além dos anos de convívio.

Além disso, se as pessoas se isolam fica muito mais difícil haver respeito e companheirismo. Quando os moradores são muito individualistas e não estão nem aí para o colega, o vulcão pode explodir ao menor atrito. Como resultado, a convivência se torna insuportável!

Os moradores da república precisam sempre ter em mente que essa será sua família durante a graduação. Muitos estudantes moram bem longe de casa e só têm os amigos para ajudar em qualquer mal-estar ou indisposição. Já pensou o nível de estresse se uma pessoa se sente sozinha e não tem com quem contar naquela hora?

Sendo assim, enturme-se e tire proveito desses bons tempos! Mas não se esqueça: ser legal e fazer amigos não significa que você deve abrir mão da sua personalidade e fingir ser alguém que não é só para agradar. Isso é completamente desnecessário!

Escolher o curso ideal para seu perfil muitas vezes exige mudanças drásticas, como morar em uma república, por exemplo. Mas deixar a casa dos pais vale a pena. Você vai encarar a responsabilidade de ser independente e deverá ter um compromisso consigo mesmo para essa experiência dar certo! Aí, você verá que com um pouco de foco e tolerância tudo se ajeita.

Gostou de saber um pouco sobre a vida numa república? Então, mostre este post aos seus amigos, compartilhando-o nas redes sociais, e veja o que eles pensam sobre a vida universitária!